| Visões cênicas sobre o mundo contemporâneo |

— por Márcio Bastos, Folha de Pernambuco. Agosto, 2012. —

“ILUSIONISTAS” é o quarto projeto da parceria entre João Lima e Vítor Roriz
Morando na Europa desde 2004, o artista pernambucano João Lima se apresentou pela última vez no Recife em 2010, com o espetáculo “O Outro do Outro”. Agora, ele volta para estrear sua quarta parceria com o português Vítor Roriz, “Ilusionistas”, que inicia temporada hoje, no Teatro Hermilo Borba Filho, às 20h. Concebido e estrelado pelos dois artistas, o trabalho tateia questões ligadas à contemporaneidade, como as relações humanas, a identidade e a temporalidade.
“Queríamos desenvolver uma dramaturgia que fugisse de definições; desejávamos investigar nossa relação com o tempo”, con­ta João Lima. Em “Ilusionis­tas”, os artistas propõem uma temporalidade que vai se desdobrando diante do espectador. Para isso, constroem a narrativa a partir de situações cotidia­nas, facilmente reconhecíveis, e outras de caráter ficcional. “Nos­sa intenção era partir do ordinário para talvez chegar no extraordinário. É um espetáculo sim­ples, mas intrigante”, diz.
Segundo o pernambucano, o espetáculo é um convite ao “olhar perplexo”. “A peça tem um lugar de estranheza que achamos muito valioso”, acredita. Para João, “Ilusionistas” fo­ge de rótulos – é teatro, dança e dialoga com as artes plásticas -, propondo um tipo singular de experiência. “Esse é um trabalho mestiço. Queremos instigar um olhar novo para coisas e situações que já se tornaram banais”, enfatiza.
Durante o processo de construção, uma questão que ficou clara para os artistas foi a necessidade de encontrar um lugar de fala para debater sobre a contemporaneidade. “Queríamos descobrir como falar sobre o nosso tempo, no nosso tempo e para o nosso tempo”, conclui João.



Os comentários estão desativados.

DIA ZERO, 2012.
ILUSIONISTAS, 2012.
SENHORA DOS AFOGADOS, 2000.
ESTIMADA VENTAFOCS, 2008.
pay for paperscustom writingedit my paperedit my paperedit my paperedit my paper